Excerto de “Retrato de uma Senhora” por T.S. Eliot

Agora que estão os lilases em flor

Ela tem no quarto lilases numa jarra

E, a falar, nos dedos torce um deles.

“Ah, amigo meu, tu não sabes, nem sabes

Que coisa a vida é, tu que nas mãos a prendes”,

(E com vagar retorce as hastes de lilás)

“És tu que deixas de ti fluir a vida

E cruel é ser jovem e não ter mais remorso,

E sorrir de situações que se não vêem.”

Está claro que, por mim, sorrio

E vou bebendo o chá.

Excerto da parte II de “O retrato de uma senhora” por T.S. Eliot em “Prufrock e outras observações” (Assírio & Alvim, com tradução de João Almeida Flor)

As ilustrações de Arthur Rackham (1917) para “Os Irmãos Grimm”

The Gnomes, Arthur Rackhman

“He played until the room was entirely filled with gnomes.”

Em tradução livre será: Ele tocou até o quarto estar totalmente cheio de gnomos.

Eu não li esta história. Encontrei primeiro a ilustração e a história tenho de a imaginar eu. O que é que pode levar um flautista a convocar tantos gnomos para o seu quarto? Talvez peça um desejo por cada gnomo que lhe apareça; talvez seja agora o mestre dos gnomos e liberte pela aldeia as piores travessuras, diabruras, traquinices, brincadeiras, maldades sem mal, maldades com mal, distúrbios generalizados ou localizados.

Todas as infinitas possibilidades. O mestre flautista dos gnomos tem todas as infinitas possibilidades. Quem lhe ensinou que música tocar?